sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Bebês entre 1 e 2 anos: 10 dicas de como lidar com eles

Entre 1 e 2 anos, as mudanças intelectuais e comportamentais por que passam os bebês são mais evidentes. Eles querem explorar tudo ao seu redor e se movimentar bastante
Entre 1 e 2 anos, as mudanças intelectuais e comportamentais por que passam os bebês são mais evidentes. Eles querem explorar tudo ao seu redor e se movimentar bastante, sendo a sua principal tarefa aprender a coordenar a musculatura do corpo para andar. Aos 15 meses, eles passam a imitar tudo o que observam, portanto, comportamentos agressivos e nervosos, por exemplo, não são bons exemplos de conduta.

Segundo Fabiana Cristina Teixeira, professora do Curso a Distância CPT Curso Treinamento de Babá

 Desenvolvimento e Comportamento da Criança, em Livro+DVD e Curso Online, “Caberá aos responsáveis ficarem atentos ao modo como se comportam com eles e diante deles, já que aprendem muito mais com o que veem os adultos fazendo do que com o que ouvem deles”. Quer saber mais sobre como lidar com bebês entre 1 e 2 anos? Veja as dicas abaixo:

1- Brincar

Um dos passatempos prediletos do bebê é jogar objetos no chão de propósito. Se alguém pega e devolve, o bebê repete a mesma coisa milhares de vezes, achando que é uma brincadeira. Se tiver disponibilidade para desenvolver essa brincadeira será interessante; pois essa atividade ajuda no desenvolvimento cognitivo da criança.

2- Egoísmo

É comum a criança pegar o brinquedo de outras crianças, mas não querer emprestar os dela. É bom tentar estimular a troca de brinquedos e o senso de solidariedade, mas, sem forçar muito.

3- Exibição

Outra característica dessa fase dos bebês é que eles adoram se exibir e, para isso, imitam gestos e atitudes que provocam risadas. Essa é uma forma de interagir com as pessoas, que faz bem para o “bem-estar” do bebê se ele for correspondido e receber atenção e afeto.

4- Personalidade

O gênio da criança fica mais evidente e, nessa idade, ela pode ter acessos de raiva, bater a cabeça, se jogar no chão e dar chutes. Em situações como essa, a babá, por exemplo, deve agir com calma e tentar tranquilizar a criança. No entanto, comportamentos como esses, devem ser observados e comunicados aos pais, para que sejam analisados, pois sempre há um motivo para os acessos de raiva; ainda que estes motivos não estejam visíveis num primeiro momento.

5- Autonomia

Embora a criança necessite da participação de um adulto em todas as suas atividades, ela começa a buscar sua autonomia e insiste em realizar sozinha algumas tarefas – como pegar um brinquedo e tirar o sapato etc. Nessa fase as crianças devem ser supervisionadas o tempo todo, pois estão sempre em movimento, costumam escalar objetos e puxar tudo que está ao seu alcance. Estimule a criança a fazer algumas coisas sozinha, mas esteja sempre ao lado dela.

6- Aprendizado

Nessa fase, os bebês conseguem entender mais palavras do que falar – falam cerca de dez palavras e entendem mais que o dobro - e começam a atender aos pedidos dos adultos, principalmente dos pais, podendo entender os seus. Exemplo: Se disser para a criança abrir a boca para escovar os dentes, ela abre.

7- Limites

Ter limites, nessa idade, é fundamental para o futuro, pois é quando são criadas as bases da educação da criança, que lhe darão maturidade para respeitar e obedecer ordens.

8- Hábitos

Entre um e dois anos, as crianças criam hábitos que carregam para toda a vida! Por isso, auxilie à construção de hábitos para uma alimentação saudável, para um sono regular, para cuidar e guardar seus brinquedos e para a adoção de bons hábitos de higiene pessoal, como escovar os dentes e lavar as mãos nas horas certas.

9- Cooperação

Incentive a cooperação da criança. Peça para ela ajudar na arrumação das coisas dela, a guardar os brinquedos – mas faça isso em tom de brincadeira e não como obrigação, pois ela não aceitará bem as imposições.

10 - Treinamento

Aproximadamente aos dois anos, você pode começar a ensinar a criança a controlar a bexiga e a pedir para fazer xixi quando ela estiver apertada. Mas, saiba que esse treino para o abandono das fraldas não é fácil, pois leva tempo, e requer a dedicação de todos da casa.