segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Educação Infantil: saiba como desenvolver atividades para os pequenos

A primeira etapa da Educação Básica é a Educação Infantil. Márcia Basílio professora do curso de Pedagogia da UNINABUCO, coloca que a modalidade de ensino, que abrange crianças de 0 a 5 anos, não é apenas um modelo de assistência às famílias. “À medida que a Educação Infantil foi sendo incorporada a educação escolar, os processos pedagógicos também passaram a fazer parte desse espaço, ou seja, não se trata apenas de cuidar das crianças, mas também de propor o educar”, afirma.

As primeiras relações da criança com pessoas que não integram sua família pode acontecer na creche ou na pré-escola. É nesses espaços que elas também precisam ter contato com uma rotina, entender questão de tempo e espaço, além de desenvolver o respeito pelos outros com quem compartilham o ambiente. Para isso, Márcia explica que “o professor da educação infantil precisa planejar sua aula, senão, nada feito”.

Atividades e construção de rotina para crianças na Educação Infantil
Ana Honório, pedagoga com especialização em Educação Especial pela UNINABUCO e professora de Educação Infantil, detalha que em seu dia-a-dia com os alunos ela estabelece uma rotina baseada em planejamento. O trabalho consiste na utilização do diálogo, da contação de histórias e de outros métodos lúdicos para fazer progredir alguns aspectos do desenvolvimento infantil. Separamos 5 deles e apresentamos abaixo as atividades propícias a desenvolvê-los. Confira!

1 Interação social -  O que fazer no início das aulas?
O primeiro momento das aulas é sempre de conversação. Ana conta que inicia o dia recepcionando os alunos e trazendo alguma música que tenha relação com o momento matinal. Logo em seguida ela inicia uma conversa, indagando as crianças a respeito do que fizeram no dia anterior ou no fim de semana. Dessa forma, elas podem interagir com as demais e falar sobre si, algo importante na construção da identidade, próximo aspecto dessa lista. A interação pode ser promovida também nos momentos de recreação e lanche, onde as crianças formam grupos.

Se o objetivo da aula for trabalhar o aprendizado dos números, Ana Honório exemplifica que após esse momento inicial ela pode pedir aos alunos que eles tentem contar quantos eles são na sala. A partir disso, já é possível introduzir o conteúdo programado para aquela aula. É importante lembrar que essas atividades podem juntar mais de um dos aspectos aqui tratados.

2 Construção da identidade - Como ensinar ao aluno a escrita do próprio nome?
Criança asiática/FreepikNeste processo de socialização, a criança também precisa se identificar enquanto indivíduo, entender o que a diferencia do outro. Um dos métodos descritos por Ana para alcançar esse objetivo segue um caminho mais longo e começa com a contação de histórias. Depois de ter contado a história, seja com fantoches ou outra técnica, é destacado para as crianças quais os personagens que estavam na narrativa.

Com massa de modelar as crianças podem moldar a forma que eles enxergam os personagens, desenvolvendo as habilidades motoras. Após esse momento, é possível mostrar como o nome de cada personagem é escrito, apresentando o alfabeto a criança e procurando entender quais letras ela já conhece. Incentivando-a, posteriormente, a identificar quais dessas letras que compõem o nome do personagem também estão presentes em seu próprio nome.

Para auxiliar o aluno no aprendizado do seu nome, Ana diz que podem ser feitas fichas individuais com as informações da criança que fiquem ao alcance dela. Ou seja, quando eles precisarem escrever seus nomes, por exemplo, eles podem levantar, procurar entre as fichas qual é a sua. No início precisarão de auxílio, mas posteriormente eles terão desenvolvido autonomia suficiente para identificar qual a sua ficha.

3 Despertar o interesse pela arte - Como integrar a arte às atividades desenvolvidas?
Incentivar que a criança se conecte com arte é algo que pode ser feito de forma conjunta com os outras objetivos de aula. De forma prática, é possível trabalhar uma canção para apresentar as partes do corpo às crianças ou trabalhar um poema infantil para tratar de questões comportamentais, por exemplo. As paródias também são ótimas aliadas. É possível pegar músicas que estão em alta, adaptar o conteúdo da letra para o que será ensinado. Conhecendo antecipadamente a melodia, as crianças podem fixar o novo conteúdo através da paródia apresentada.

4 Construção da autonomia - Como incentivar a criança a ser mais independente?
A criança, de acordo com a sua faixa etária, precisa executar algumas atividades sozinha. Existem várias técnicas para que isso seja incentivado. Uma delas é ter envelopes com o nome dos alunos em varais nas paredes da sala de aula. Assim que que o aluno terminar de realizar uma atividade, ele pode ir até o seu respectivo envelope e guardar o material produzido. Ana acrescenta que é preciso deixar que o aluno guarde sua atividade da forma que ele achar melhor, ou seja, se ele quiser dobrar um papel com ilustração, ele pode. Isso faz com que ele entenda que pode fazer algumas escolhas sozinho.

5 Desenvolvimento cognitivo - Como ampliar o conhecimento dos alunos?
Talvez você já tenha percebido, mas todas as atividades anteriores acabam sendo associadas ao desenvolvimento cognitivo. O aprendizado de conteúdos que serão trabalhados de forma ampliada no Ensino Fundamental está inserido nas práticas que buscam o desenvolvimento de outras áreas da criança. A língua portuguesa e a alfabetização, estão contidas na construção da identidade. A matemática está nos momentos de interação, a arte segue o mesmo caminho. Portanto, é possível ampliar os conhecimentos da criança de formas não tradicionais, indo além do modelo: professor que escreve na lousa e aluno que copia em seu caderno.

Qual a melhor atividade ou estratégia?
Agora que você já conhece algumas atividades que podem ser trabalhadas na Educação Infantil, pode aparecer a seguinte dúvida: “qual delas eu escolho?”. Márcia Basílio, professora da UNINABUCO, diz que o professor precisa fazer algumas considerações. “É bom que o professor compreenda a filosofia da escola, bem como como faça uma avaliação diagnóstica de seu aluno, na perspectiva de compreender seus limites e potencialidades [...] Também temos documentos e referenciais que ajudam o professor a pensar a sua prática, e a escolher a melhor estratégia didático-pedagógica para que seu aluno alcance os objetivos propostos para a Educação Infantil”.

De acordo com a Lei das Diretrizes e Bases Nacionais 9394/96, crianças a partir dos quatro anos de idade devem estar matriculadas na Educação Infantil. Desde 2016 a modalidade de ensino é obrigatória para essa faixa etária.