segunda-feira, 24 de setembro de 2018

O que muda na vida familiar após a chegada de um bebê

A chegada de um bebê muda completamente a organização de uma família. Desde o momento em que a mulher descobre que está grávida, o planejamento familiar passa por mudanças. A vida social dos pais vai aos poucos diminuindo, os gastos são voltados para o enxoval do bebê e até mesmo a casa pode passar por reformas necessárias.

Quem já tem filhos também enfrenta questões. É preciso preparar a criança para a chegada de um irmão ou de uma irmã. Muitas vezes ela não aceita deixar de ser o foco das atenções dos pais, o que pode ser um problema imenso para a harmonia do lar.

Mudanças de vida após a chegada de um bebê
Mesmo quem não é pai ou mãe de primeira viagem sabe que tudo se transforma quando se tem um recém-nascido em casa. Tudo vai girar em torno da palavra “planejamento”. Até mesmo uma ida a um supermercado precisa ser pensada com antecedência. Aliás, quem vai orientar a rotina da casa será o bebê. A hora de dormir, de comer, tudo.

A vida íntima do casal também não será a mesma. A chegada do bebê reduz os momentos mais romântico e apaixonados dos pais nos primeiros meses. A parceria e a cumplicidade, contudo, crescem. Os dois precisam pegar juntos para lidarem com as necessidades do novo filho, com as tarefas da casa e mesmo com a vida pessoal de cada um.

Essa é outra coisa que acaba se perdendo em meio à nova rotina. A vida social passa a ser relacionada ao bebê, às visitas dos amigos, dos familiares. Infelizmente há um distanciamento dos amigos solteiros ou dos casais sem filhos. É natural. Afinal, seu universo agora, tanto quanto casal quanto indivíduo, é o recém-nascido.

Para as mães, há ainda as mudanças físicas e no organismo. Ao longo da gestação, o corpo passa por alterações hormonais, de aparência, que podem assustar. Mas fique tranquila que naturalmente seu corpo volta ao normal. O importante é não deixar de se cuidar. Amar a si mesma e estar bem consigo é uma forma, também, de cuidar do seu bebê!

Para aqueles pais que já têm um filho, vale um alerta. Independente da idade da criança, converse com ela e faça-a sentir alegria por ganhar um irmãozinho ou irmãzinha. Você não vai querer ter o filho mais velho com inveja, raiva ou desprezo em relação ao irmão. É importante para todos em casa que a relação entre eles seja saudável e pacífica.


Crianças com animais
Há outra questão a ser tratada a partir da chegada de um bebê. Se você tem animal de estimação em casa, é preciso preparar o cão ou o gato para receber o recém-nascido. Uma boa tática é colocar paninhos com o cheiro do bebê em locais que os animais gostem de frequentar em casa: a caminha, os potes de ração ou móveis em que costumem estar perto.

Antes da chegada do bebê, dê muita atenção ao cão ou ao gato. Faça-os participar desse momento desde o início. Estimule-os a tocar, acariciar ou mesmo adormecer próximo à barriga, para que sintam o bebê junto com você.

Após a chegada do recém-nascido, aja com naturalidade. Não afaste o pet da situação, nem deixe-o de lado. Tanto cães quanto gatos podem se sentir traídos, com ciúmes. No caso dos cães, dê objetos que eles possam destruir, pois isso pode acalmá-los quando houver muita gente para visitar o bebê.

CUIDE PARA QUE OS PETS NÃO MACHUQUEM AS CRIANÇAS, MESMO QUE SEM QUERER

Não esqueça que esses animaizinhos se sentem muito estressados com mudanças bruscas de rotina. Mantenha os passeios, as brincadeiras e a alimentação da mesma forma que sempre foi. Cuidado para não deixar os pets fazerem o que quiserem, para compensar.


Meu marido mudou depois do bebê
Essa é uma situação muito chata e, infelizmente, muito comum. Uma pesquisa realizada por universidades dos Estados Unidos durante 8 anos mostrou, inclusive, algo alarmante: 90% dos 218 casados investigados se mostraram insatisfeitos com seus casamentos após a chegada do primeiro filho.

Apesar de parecer que o casal começa a relação do zero, isso é só uma sensação. A chegada de um bebê não é motivo para que o casal assuma apenas o papel de pai e mãe. Mesmo que agora sejam pais, continuam a ser mulher e homem, esposo e esposa, e precisam agir como tal.

Na maioria dos casos, a mulher se sente exausta todos os dias durante os primeiros meses. Afinal, mesmo que as tarefas sejam bem divididas, quem amamenta é a mãe. E muitas vezes a carência afetiva, emocional da mulher é preenchida pelo contato com o filho. Muitos homens não compreendem isso e se sentem deixados de lado.

É comum durante esse período dos primeiros meses de maternidade e paternidade que tanto homem quanto mulher sintam que o parceiro mudou. Tanto um lado quanto o outro reclama que o parceiro não quer mais sexo, por exemplo. As mulheres costumam pensar que o homem já não sente o mesmo amor ou o mesmo desejo.

Muitas vezes esses conflitos não passam de um mal entendido. A melhor forma de lidar com o problema é dialogar. E sempre com respeito. Sejam parceiros e conversem sobre o que cada um está sentindo. Sem julgamentos, sem culpa, sem medos. A melhor forma de proteger o casamento nessa fase é continuar agindo como casal.

Uma nova história de amor
Quando nasce um filho, tudo muda, contudo isso não precisa ser um problema. Vários casais relacionam a chegada de um bebê ao fim do casamento, ao término do amor e da paixão. Isso acontece justamente quando o casal, individualmente, permite que isso ocorra.

O segredo é os dois se unirem ainda mais enquanto casal. Os papéis de pai e de mãe não devem estar acima do papel de esposo e esposa, mas sim caminhando junto. No fundo, tudo é uma questão de planejamento, de parceria e de visão. Enxergue a chega de um filho como o início de uma nova história de amor, não como o término de uma.