sábado, 23 de junho de 2018

Síndrome de Stevens-Johnson

 Síndrome de Stevens-Johnson?
Você já ouviu falar sobre a síndrome de Stevens-Johnson? Apesar de bastante rara no Brasil, a doença, caracterizada por uma reação alérgica forte, é muito séria e pode afetar nossas crianças. Em alguns casos ela surge, inclusive, como consequência ao uso de medicamentos, e os primeiros sintomas podem ser iguais aos de uma gripe (portanto, é algo que merece bastante atenção)! Vem ver mais informações:

O que pode causar a síndrome de Stevens-Johnson?

Uma das principais causas da síndrome de Stevens-Johnson é a reação a algum medicamento. Antibióticos como a penicilina estão entre os maiores causadores do problema, além de alguns tipos de analgésicos, anticonvulsivantes (como fenitoína e carbamazepina) e anti-inflamatórios.


Pode ser em pouco tempo, como ao longo de apenas três dias após a ingestão remédio, que os primeiros sinais da síndrome de Stevens-Johnson aparecem. Lembrando que, evidentemente, além de bebês e crianças, a doença pode afetar pessoas de todas as idades.

A síndrome de Stevens-Johnson se manifesta, primeiramente, com sintomas semelhantes aos de uma gripe. É comum a criança sentir mal-estar, dores musculares e até mesmo febre. Contudo, você pode desconfiar que há algo errado se, seguido desses sintomas, o pequeno apresentar erupções vermelhas na pele, que rapidamente vão se espalhando.

Geralmente, a primeira área atingida é o rosto, seguida do pescoço e do tronco. Já o resto do corpo acaba afetado de maneira irregular. Outra característica dessas erupções é a possível formação de bolhas no centro, que ao longo dos dias acabam descascando.

Mais um sintoma da síndrome de Stevens-Johnson é o surgimento de lesões nas mucosas (na boca, na garganta, nos genitais e até nos olhos). Com isso, é comum sentir dores na boca e dificuldade para se alimentar (às vezes as lesões são tantas que até dificultam o abrir e fechar). Quando os olhos são afetados, a criança pode reclamar de dores na região e sofrer com inchaços que fecham os olhos completamente. E mesma coisa na hora de fazer xixi: se os genitais forem afetados, urinar fica mais difícil (e dolorido!).

Se desconfiar de algo, leve imediatamente o seu filho ao médico. Analisando os sintomas, o profissional pode chegar ao diagnóstico ou, ainda, pedir alguns exames para excluir outras possíveis doenças (como exame de sangue ou de imagem). Também é comum o médico solicitar uma biópsia cutânea (ou seja, a retirada de um pequeno pedaço da pele para análise), para verificar se realmente se trata de um quadro da síndrome de Stevens-Johnson.

Tem tratamento?

O principal ponto do tratamento da síndrome de Stevens-Johnson é a identificação da causa do problema. Se realmente se tratar de uma reação a um medicamento específico, o seu uso deve ser suspenso (às vezes o médico pode recomendar a suspensão de diversos remédios, pois a identificação imediata daquele que está causando o quadro nem sempre é tão simples).

Já em relação ao tratamento dos sintomas, a síndrome de Stevens-Johnson acaba sendo uma emergência médica, de modo que os pacientes, dependendo do quadro, chegam até mesmo a ser internados em UTIs. Também pode ser recomendado o encaminhamento a uma unidade de tratamento de queimados, pois a recuperação é semelhante à dos pacientes que sofreram queimaduras.

O médico ainda pode receitar remédios para tratar a dor, além de cuidados com os olhos e a alimentação. Tratamentos intravenosos também podem ser indicados.

Para recuperação total da pele, pode ser que demore alguns meses. Lembrando que mais um cuidado é que as cicatrizes formadas precisam ser bem cuidadas, pois deixam os pacientes vulneráveis ao desenvolvimento de infecções (por conta da perda de líquidos).

O tratamento médico ainda é muito importante para evitar outras complicações nos olhos e em outros órgãos, como nos rins e pulmões, que também podem ser afetados. Por isso, todo cuidado é pouco com os nossos pequenos, para que, em caso de sequelas, sejam as menores possíveis para não comprometer o desenvolvimento deles.