terça-feira, 12 de junho de 2018

O que é a lactose?


A lactose é o açúcar predominante do leite. De acordo com os estudiosos do tema, a causa da intolerância à lactose é a incapacidade do intestino de digeri-la e transformá-la em seus constituintes (glicose e galactose).

Essa incapacidade se deve à falta de uma enzima (proteína) chamada lactase, produzida no intestino delgado, segundo Couchet.

Um documento publicado pela especialista mostra que, aproximadamente, 80% da população mundial apresenta intolerância à lactose em maior ou menor grau. Muitas pessoas apresentam sintomas que se confundem com a síndrome do intestino irritável.

Além disso, Couchet enfatiza que a intolerância à lactose é um tipo de reação adversa a determinados alimentos, produzida por um mecanismo não imunológico, cuja frequência é de 5 a 10 vezes superior às do tipo alérgico.

Altos níveis de lactose
A lactose está presente no leite materno de todos os mamíferos a partir do final da gravidez e durante todo o período de amamentação.

A lactose constitui a principal fonte de hidratos de carbono do bebê prematuro e dos recém-nascidos. O leite materno é composto por 7% de lactose, um dos níveis mais altos dentre os mamíferos. Para efeitos de comparação, o leite de vaca, por exemplo, apresenta 4% de lactose.

O leite de vaca é usado como substituto ao leite materno quando a mãe apresenta insuficiência ou ausência de leite.

Há diferentes tipos de intolerância à lactose:
Intolerância congênita à lactose
Intolerância à lactose primária
A intolerância congênita à lactose é muito rara e, provavelmente, genética. E seus sintomas começam a aparecer desde o nascimento.

Um dos sintomas úteis para identificar esse tipo de intolerância à lactose é a diarreia que acontece desde o primeiro momento que o bebê ingere leite materno, leite de vaca ou outros produtos que contêm lactose.

Inicialmente, as crianças ainda estão saudáveis, mas logo aparece a desidratação e a acidose.

A especialista afirma que, caso a criança não receba o tratamento adequado esse tipo de intolerância pode levar a uma desnutrição secundária. Ao mesmo tempo, Couchet observa que suspender a ingestão de lactose resulta em uma rápida melhora dos sintomas.

Por outro lado, a intolerância primária à lactose ou de aparecimento tardio é aquela que se deve à diminuição natural da enzima lactase na mucosa intestinal.

Ela se manifesta após a interrupção da amamentação e é comum em grande parte da população mundial. A diminuição da lactase pode começar bem cedo, entre 1 e 3 anos de idade.

Esse quadro é mais recorrente em populações que possuem baixos níveis de saneamento ambiental e em lugares onde as infecções gastrointestinais e a desnutrição são mais comuDiagnóstico da intolerância à lactose em bebês
A doutora Sylvia Cruchet afirma que o método mais frequente para obter o diagnóstico da intolerância à lactose em bebês é por meio do pH e de substâncias redutoras nas fezes, já que essa técnica é econômica e está disponível em qualquer serviço hospitalar.

Esse método de diagnóstico é especialmente útil às crianças com menos de dois anos, mas é menos confiável após essa idade.

O exame ideal para o diagnóstico da intolerância à lactose em bebês é o teste de hidrogênio expirado, mas para realizá-lo é preciso que os pequenos tenham idade suficiente para assoprar em um aparelho.