domingo, 17 de junho de 2018

Colicas de bebês

Como aliviar as cólicas do bebê?Cólica é um termo geralmente usado para descrever o choro incontrolável em bebês saudáveis.

Embora não se trate de uma doença nem represente algum dano de longo prazo para o bebê, a cólica pode incomodar bastante a criança e ser estressante para a família.
Meu bebê chora demais. Como vou saber se é cólica?
Se o seu filho tem menos de 5 meses, chora mais que três horas seguidas mais que três vezes por semana, e isso já dura ao menos três semanas, há boas chances de ser cólica.

A cólica costuma aparecer por volta de duas a três semanas após o nascimento (no caso de crianças prematuras, de duas a três semanas após a data prevista para o parto).

É normal que bebês chorem quando estão com fome, molhados, assustados ou cansados, mas crianças com cólica choram sem parar e nada consegue lhes dar conforto ou consolo. Além disso, em caso de cólica, o choro costuma ser mais alto que o normal e pode começar e parar repentinamente.
Quais são os principais sintomas da cólica?
Num bebê com cólica, você pode notar o seguinte:

Ele tem crises de choro intenso, e é difícil acalmá-lo

Ele encolhe as perninhas e arqueia as costas para trás, estica-se e se espreme enquanto chora

Ele solta puns quando chora

A cólica normalmente ataca no fim da tarde e à noite. Em casos mais difíceis, o bebê chora a qualquer hora do dia. Pode ficar difícil dar de mamar para o bebê quando ele está tão desconfortável.
Quando é que a cólica vai embora?
A cólica pode mesmo ser desesperadora para a família, principalmente porque todos estão se adaptando à nova vida com o bebê.

O alento é que a cólica não é grave, não é uma doença e costuma melhorar bastante entre os 3 ou 4 meses. O pico geralmente ocorre por volta de 6 semanas.
Por que o bebê fica com cólica?
Ainda não se sabe exatamente o que provoca a cólica. Cerca de 20 por cento dos bebês apresentam cólica, e ela aparece tanto em meninos quanto em meninas, crianças amamentadas no peito ou com fórmula de leite, e tanto em primeiros filhos como em segundos, terceiros etc.

A realidade é que ainda não se sabe ao certo por que algumas crianças são mais suscetíveis às cólicas que outras.

Uma das hipóteses mais fortes é a de que o sistema digestivo do bebê ainda é imaturo, o que faz a barriga doer em reação a algumas substâncias do leite materno ou do leite artificial. As contrações intestinais do bebê estariam "desorganizadas".

Outras possíveis explicações para a cólica são:

O sistema nervoso do bebê ainda não amadureceu e fica sensível demais

O bebê sente dor porque tem dificuldade de expelir gases

Outra indicação é que o fumo durante a gravidez ou o convívio com alguém que fuma podem predispor a criança a ter cólica.
Alergia alimentar pode causar cólica no bebê?
O pediatra também pode avaliar se o bebê tem alguma intolerância ou alergia alimentar, como à proteína do leite de vaca (APLV). Embora isso não seja a causa direta da cólica, é uma das razões para o desconforto abdominal que se assemelha à cólica.

No caso de bebês alimentados com fórmula de leite, o médico pode recomendar uma especial. Se a criança mama no peito, a mãe pode seguir uma dieta restritiva, deixando de ingerir leite, queijo e iogurte por algumas semanas para ver se faz alguma diferença.

Também pode acontecer de o bebê ser sensível a algum outro alimento consumido pela mãe. Há certa controvérsia entre os especialistas, mas os principais suspeitos de alergia são trigo, ovos, nozes e castanhas, cafeína e chocolate.

Para verificar se algum desses alimentos está causando desconforto no bebê, o ideal é evitá-los por alguns dias e reintroduzir um de cada vez, deixando um intervalo no meio. Converse com o médico se você notar que determinados alimentos deixam o bebê mais irritado.
Há algum risco para o bebê com cólica?
Não, o bebê não corre nenhum risco por apresentar cólica. Mas é preciso sempre consultar o médico para ter certeza de que se trata de cólica mesmo e não de algum outro problema que esteja causando dor ou desconforto, como uma hérnia ou infecção.

(Atenção: se a criança apresentar outros sintomas, como febre ou vômito, procure atendimento médico imediatamente. Essas ocorrências não estão ligadas à cólica.)

O ruim é que, conforme o bebê chora, ele pode engolir mais ar, o que só provoca mais gases e cólica.

E é muito difícil conviver com um bebê que chora tanto. Ainda mais quando a mãe está sensível por causa de tantas mudanças hormonais, que já são motivo suficiente para ela chorar por horas e horas também.

Quanto mais tenso ficar quem está cuidando do bebê, mais difícil será acalmá-lo.
O que posso fazer para tentar consolar o bebê com cólica?
As estratégias para tranquilizar o bebê dependem da possível causa da cólica. Veja as possibilidades:
Reação ao leite materno ou fórmula
Pode ser que o sistema digestivo do bebê ainda seja imaturo, e que algumas substâncias provoquem dor e desconforto. O que fazer:

Se você está amamentando, pode experimentar fazer algumas mudanças na sua alimentação para ver se o bebê chora menos. Uma regra simples é a seguinte: procure eliminar os alimentos que causam gases em você.

Entre os alimentos que se imagina que possam causar cólica estão: leite, chocolate, brócolis, couve-flor, repolho, feijão, cebola e comidas apimentadas.

Mas lembre-se de que uma mãe que amamenta precisa se alimentar bem, e que o leite materno é o melhor para o bebê (bebês que tomam fórmula também têm cólica!).

Se seu bebê toma fórmula, pode ser que ele tenha alguma alergia ou intolerância a um componente do leite artificial.

O pediatra pode prescrever uma fórmula especial.

Sistema nervoso imaturo ou sensível demais
Pode ser que o bebê ainda não esteja pronto para tantos estímulos que o mundo joga sobre ele. Se o choro do bebê não parecer estar relacionado com dor de barriga, experimente as seguintes táticas:

Segure o bebê no colo bem apertadinho, use um sling ou experimente enrolá-lo numa manta.

Experimente mantê-lo num ambiente sem muitos estímulos, com pouca luz e pouco barulho. Se você achar que segurá-lo no colo não está adiantando, tente colocá-lo por alguns minutos no berço.

Como você já deve ter descoberto, o bebê chora menos quando está em movimento. Carregue-o com você num canguru ou sling, deite na rede com ele, passeie bastante ou balance o carrinho. No caso do choro desesperador da cólica, não adianta ficar se preocupando em acostumar mal o bebê.

Barulhos constantes ou rítmicos, como o do ventilador, acalmam alguns bebês.

Chupar o dedo ou a chupeta pode acalmar o bebê. Você também pode fazer uma massagem leve.

Um banho morno tende a relaxar o bebê e distrai-lo no meio de uma crise de cólica. Alguns se acalmam com um jato leve de água nas costas.

Dor causada por gases
Você vai notar que o bebê se "espreme" e se contorce, e parece ter alívio quando solta um pum ou quando consegue fazer cocô.

Ele também pode começar a chorar no meio de uma mamada. Algumas sugestões:

Ponha o bebê para arrotar depois de cada mamada. Veja mais detalhes sobre como colocar o bebê para arrotar.

Procure manter o bebê com a cabeça levantada na hora de dar de mamar. Se você amamenta o bebê, confira se ele está pegando o peito direitinho e experimente variar as posições de amamentar.

Se você dá mamadeira para o bebê, tenha certeza de que ele não está engolindo ar. Veja se o furo do bico não está muito grande, e mantenha a mamadeira sempre bem levantada, com o bico totalmente preenchido de leite. Procure os bicos anatômicos e elaborados exatamente para diminuir a entrada de ar enquanto a criança mama.

O pediatra pode receitar uma medicação (gotas de dimeticona ou simeticona) para ajudar o bebê a aliviar o acúmulo de gás na barriguinha. Fale sempre com o médico antes de usar qualquer truque que envolva dar alguma substância para a criança, mesmo que seja só molhar a chupeta (e mesmo que seja um fitoterápico).

Tente colocar uma bolsa de água quente na barriga do bebê (sempre envolta numa toalha e com muito cuidado para não queimar o bebê, que tem a pele muito sensível).

Procure fazer movimentos de bicicleta com as pernas dele ou massagear a barriga com delicadeza para estimular a evacuação, o que também pode ajudar.
Não aguento mais tanto choro! O que fazer?
As primeiras semanas com o bebê em casa podem ser muito estressantes, tanto para a mãe, que tende a ter uma vontade de chorar permanente, quanto para o pai, que também pode ficar abalado.

Quando você achar que não aguenta mais, peça ajuda. Reveze-se nos cuidados com o bebê e, se precisar, dê uma saída de casa para arejar a cabeça e parar de ouvir o choro, enquanto outra pessoa fica com o bebê.

Procure se lembrar de que o choro do bebê não é culpa sua, e que a cólica vai passar com o tempo.

Conheça também alguns truques de pai contra o choro e pequenas dicas para recuperar sua sanidade mental

Assista um vídeo de uma massagem para ajudar na digestão do bebê.